• Pinto Machado

SAMARCO BUSCA PAZ COM NOVO PLANO DE RJ

Depois de meses seguidos em um pé de guerra com seus credores financeiros, a Samarco parceria entre a Vale (VALE3) e a australiana BHP – acaba de entregar uma nova versão de seu plano de recuperação judicial, com o objetivo de chegar a um acordo com um grupo de credores que detém R$ 26,4 bilhões da dívida da empresa.

O plano deverá ser votado na segunda convocação da Assembleia-Geral de credores, remarcada para daqui a 15 dias, em 10 de março.

O principal item alterado no plano de recuperação judicial da mineradora foi um limite de US$ 2,3 bilhões em aportes da Samarco na Renova, órgão que foi criado para administrar o pagamento das indenizações referentes à tragédia de Mariana (MG), em 2015, que deixou 18 mortos e provocou dano ambiental ao ecossistema do Rio Doce.

Se a injeção de capital superar esse montante, Vale e BHP arcarão com a conta.

Adicionalmente, o novo plano impõe que a Samarco apenas fará aportes na Renova se o fluxo de seu caixa for mantido em pelo menos US$ 300 milhões.

A mineradora esteve no centro da tragédia de Mariana, ficando vários anos sem operar. Essa situação culminou, em abril do ano passado, no pedido de recuperação judicial.

Os credores financeiros da Samarco, grupo formado por investidores estrangeiros, defendiam que era a Vale e BHP que deveriam arcar com os custos da tragédia.

Além disso, questionavam as razões para a dívida das sócias, de R$ 23,75 bilhões, estar incluída no pedido de recuperação. No total, a dívida da Samarco que está dentro do processo de recuperação judicial é de pouco mais de R$ 50 bilhões.

Os credores, contudo, tinham outras divergências em relação ao plano. A defesa era pelo pagamento de 100% da dívida vencida, mais juros.


Fonte: MONEY TIMES





0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo